Ilustração de casal na janela e a mulher está grávida
Passo a passo: o que fazer após descobrir a gravidez

Passo a passo: o que fazer após descobrir a gravidez

Antes de engravidar, é importante que a mulher comece a se preparar para esse momento. “Cuidados com a alimentação e o peso, o uso de ácido fólico para evitar malformações na coluna vertebral e conhecimento de condições de saúde ou medicamentos utilizados que possam trazer risco para o feto são alguns dos cuidados a serem tomados”, alerta o médico da família e idealizador do aplicativo Canguru, Gustavo Landsberg. Só que nem todo mundo consegue se planejar. Mesmo assim, é possível recuperar esse “tempo perdido”, iniciando de forma precoce o pré-natal.


Como encontrar um médico

A primeira preocupação deve ser encontrar um médico no qual a família confie. Por tradição, no Brasil, os obstetras são os profissionais mais procurados nesse momento, porém outros especialistas, como os médicos de família e comunidade, são capacitados para conduzir o pré-natal. “É importante que seja um profissional com boa formação, ético, atencioso e que saiba respeitar as preferências da gestante”, afirma Landsberg. Em casos de baixo risco, enfermeiras obstetras e obstetrizes também podem fazer esse acompanhamento, como acontece em países como Inglaterra, Espanha e Holanda. “No caso de gestações de alto risco, deve haver necessariamente o acompanhamento com um obstetra”, ressalta Landsberg.


Outros profissionais a buscar

A grávida também deve passar por uma avaliação odontológica, pois as gengivas e os dentes ficam particularmente vulneráveis. Fisioterapeutas podem contribuir, por sua vez, para a prática de exercícios pélvicos, que irão auxiliar a gestante no parto. Outros profissionais que participam desse momento são os nutricionistas, que podem colaborar na qualidade da alimentação e no controle do ganho de peso.


Os exames que devem ser feitos

Diversos exames são recomendados para prevenir problemas de saúde, tanto na gestante quanto no feto. Os exames essenciais, recomendados pelo Ministério da Saúde, são: hemograma, tipagem sanguínea (ABO e Rh), glicemia de jejum, sorologia de hepatite B (HbsAg), sífilis (VDRL), anti-HIV, toxoplasmose IgG e IgM, exame de urina rotina e urocultura.

“Em alguns casos, podem ser solicitados também eletroforese de hemoglobina e Coombs Indireto. Além disso, recomenda-se alguns exames ultrassonográficos, principalmente para determinação de idade gestacional e rastreamento de malformações fetais”, lembra Gustavo Landsberg.


Os cuidados que são fundamentais

Ao longo dos nove meses, é importante que a mulher mantenha uma alimentação saudável, pratique atividades físicas, evite o uso de drogas e álcool, assim como comportamentos sexuais de risco. Tudo isso poderá influenciar no desenvolvimento do feto e contribuir para determinar um futuro saudável ou não para ele. Outros cuidados adicionais são: tomar precauções contra acidentes, higienizar adequadamente mãos e alimentos, cuidar do equilíbrio emocional, manter boas relações com a família e ter uma vida social plena. “De um modo geral, as pessoas sabem o que precisam fazer para se cuidar, mas falta força de vontade, motivação ou disciplina. A gravidez é um momento muito especial na vida de uma mulher e pode ser um potente motivador para abandonar hábitos prejudiciais à saúde. É importante aproveitar este momento para realizar a mudança”, aconselha Gustavo Landsberg.


O que fica proibido

“As restrições às gestantes não são necessariamente relacionadas ao período da gestação. Claro que, durante o primeiro trimestre, período mais vulnerável do desenvolvimento fetal, é preciso ter mais cuidado com uso de medicamentos (mesmo fitoterápicos), consumo excessivo de álcool, uso de drogas, exposição a raios X, entres outros”, pondera o criador do aplicativo Canguru.